ago 3, 2010
nwmidia

Calibração de Manômetros Industriais

Na calibração de manômetros industriais um dos fatores mais importantes é o ajuste do zero que é feito colocando-se o ponteiro no valor mínimo da escala com o tubo de Bourdon em estado de repouso, isto é, pressão interna do tubo igual à pressão atmosférica. Nesta posição, uma vez que este manômetro mede a pressão diferencial, o valor medido deve ser rigorosamente zero.

A multiplicação ou faixa é ajustada variando-se o comprimento da haste da alavanca dentada. Quanto maior for o seu comprimento, menor será a faixa. A angularidade do manômetro é ajustada variando-se o comprimento. O cabelo do manômetro não influi na calibração, mas tem a função de eliminar a faixa morta devido à folga que há entre os dentes das engrenagens e dos pinos. A precisão dos manômetros comuns é da ordem de +/- 1% da escala total, mas os manômetros padrão devem ter uma precisão maior, da ordem de +/- ¼%.

ago 2, 2010
nwmidia

Ashcroft® – Instrumentos de Medição

Empresa pertencente à Ashcroft® Inc., multinacional americana composta por fábricas na Alemanha, Brasil, Canadá, Estados Unidos, México e Singapura, além de Joint Ventures na Arábia Saudita e Venezuela. A Ashcroft é hoje Líder Mundial em Qualidade no Segmento de Instrumentos de Medição, Transmissão, Controle e Teste de Pressão e Temperatura.

Fundada em 1850, ano da invenção do manômetro, a Ashcroft incorporou outros produtos ao longo da sua história tais como termômetros, pressostatos e termostatos, transmissores de pressão e temperatura e equipamentos de teste e medição, sob sua marca própria ou por meio da aquisição de outras marcas de igual nível tecnológico e de qualidade. São elas: Heise®, Weksler® e Willy®, marca líder no Brasil desde a fundação de sua primeira fábrica em 1934.

De janeiro de 1950 a novembro de 2005, a Ashcroft esteve sob o controle da Dresser Inc., passando em dezembro de 2005 à condição de empresa autônoma.

Sua unidade fabril Brasileira localiza-se em São Caetano do Sul, no Estado de São Paulo, sendo certificada pelo Bureau Veritas Certification sob a Norma ISO 9001:2000, com acreditação do governo inglês, que atesta a qualidade mundial de seus produtos e serviços. Seu laboratório é credenciado pelo INMETRO para emitir certificados para a grandeza pressão em seu nome.

A Ashcroft orgulha-se também de ser a primeira empresa do segmento a obter a certificação ISO 14000, comprometendo-se a conduzir seus negócios em harmonia com o meio ambiente, atendendo às exigências legais e normas ambientais aplicáveis.

Sua estrutura, composta por uma equipe de técnicos e engenheiros presentes em fábricas, escritórios regionais e em uma ampla rede de distribuidores, oferece atendimento especializado em vendas e suporte técnico nos principais Centros Industriais do Mundo.

Estas são as características fundamentais do sucesso da “Qualidade Mundial Ashcroft® Inc.”, uma empresa sólida, séria e respeitada no mercado, em sua continua busca de soluções para representar sempre a “Alternativa de Melhor Valor Total” para seus Clientes, Funcionários e Investidores.

Fonte: www.ashcroft.com.br

ago 2, 2010
nwmidia

Golpe de ariete

Em hidráulica, a análise dos vários aspectos que a compreende, se defronta com um tema dos mais complexos e que nos últimos tempos tem tido notáveis progressos, que é o que se refere aos fenômenos transitórios. O desenvolvimento deste tema tem se verificado não só devido à sua grande importância em projetos de sistemas hidráulicos, mas também devido às contribuições dos incessantes avanços da informática. Dentre esses fenômenos, o mais comum, que ocorre com muita frequência, e um dos mais interessantes, é o que se conhece como golpe de ariete.

Por golpe de ariete se denominam as variações de pressão decorrentes de variações da vazão, causadas por alguma perturbação, voluntária ou involuntária, que se imponha ao fluxo de líquidos em condutos, tais como operações de abertura ou fechamento de válvulas, falhas mecânicas de dispositivos de proteção e controle, parada de turbinas hidráulicas e ainda de bombas causadas por queda de energia no motor, havendo, no entanto, outros tipos de causas.

É o caso típico de condutos de recalque providos de válvulas de retenção logo após a bomba, e sem dispositivos de proteção. Neste caso a situação de ocorrência do golpe de forma mais desfavorável e com mais frequência, é aquela decorrente da interrupção brusca da energia elétrica fornecida ao motor da bomba que alimenta o conduto. É nesta situação onde corriqueiramente se verificam valores extremos para o golpe de ariete.

Durante o fenômeno do golpe de ariete, a pressão poderá atingir níveis indesejáveis, que poderão causar sérios danos ao conduto ou avarias nos dispositivos nele instalados. Danos como ruptura de tubulações por sobrepressão, avarias em bombas, válvulas e manômetros, colapso de tubos devido a vácuo, etc.

Fonte: Wikipédia, a enciclopédia livre.

ago 2, 2010
nwmidia

Junta (mecânica)

Uma junta é um objeto que permite o acoplamente mecânico entre dois objetos, preenchendo o espaço entre eles, permitindo a sua fixação com firmeza e impedindo, quando estes transportam fluidos, a fuga do conteúdo para o exterior.

Devido às suas características a junta permite unir superfícies que possuam irregularidades. Essas superfícies são unidas geralmente pelo uso de parafusos ou rebites.

Consoante a aplicação a que se destinam podem ser de papel, borracha, aglomerado de cortiça com borracha, silicone, metal, fibra de vidro. Para certas aplicações especiais, como juntas da cabeça para motores de automóvel, foi usado até à sua proibição o amianto entre chapas metálicas de cobre, sendo atualmente substituído por papelões especiais, habitualmente grafitados e resistentes a altas temperaturas. As juntas de cabeça poderão também ser produzidas com lâminas de aço sobrepostas tendo, neste caso, a designação de multi-layers.

É indispensável que o material que constitui as juntas tenha uma boa compressibilidade de forma a conseguir preencher as eventuais imperfeições dos objetos a unir.

Em função das aplicações, as juntas podem ter que possuir uma elevada resistência química (quando entram em contato com substâncias corrosivas), de temperatura ou mecânica.

Fonte: Wikipédia, a enciclopédia livre.

ago 2, 2010
nwmidia

Manômetro de Bourdon

Na indústria se empregam quase exclusivamente os manômetros metálicos ou aneróides, que são barômetros aneróides modificados de tal forma que dentro da caixa atua a pressão desconhecida que se deseja medir e fora atua a pressão atmosférica. O mais comum é o manômetro de Bourdon, consistindo em um tubo metálico, laminado, hermético, fechado em uma extremidade e enrolado em espiral (Figura 3). A extremidade aberta se comunica com o depósito que contém o fluido cuja pressão se deseja medir; então, ao aumentar a pressão no interior do tubo, este tende a desenrolar-se, e põe em movimento uma agulha indicadora frente a uma escala calibrada em unidades de pressão.

ago 2, 2010
nwmidia

Tipos de manômetros

Um tipo de manômetro já com séculos de existência é o de coluna líquida. Este manômetro contém um tubo, no qual se coloca uma dada quantidade de líquido, ar ou gas. Neste método a pressão a medir é aplicada a uma das aberturas do tubo, enquanto uma pressão de referência é aplicada à outra abertura (geralmente a pressão atmosférica). A diferença entre as pressões é proporcional à diferença do nível do líquido, em que a constante de proporcionalidade é a massa volúmica do fluido.

Os manômetros de coluna líquida podem ser em forma de ‘U’ ou ter uma única coluna. Para se forçar o líquido a percorrer uma maior distância utilizam-se colunas com inclinação (uma vez que a pressão obriga a subir, o que exige um maior deslocamento no caso de a coluna estar inclinada), sendo necessário conhecer o ângulo relativo à horizontal com precisão. Os manômetros de coluna líquida podem ser divididos em manômetros de dois ramos abertos e manômetros truncados.

Fonte: Wikipédia, a enciclopédia livre.

ago 2, 2010
nwmidia

Manômetros

O Manômetro (português brasileiro) ou Manómetro (português europeu) (do gr. μανός, ligeiro, pouco denso, e -metro) é um instrumento utilizado para medir a pressão de fluidos contidos em recipientes fechados. Existem, basicamente, dois tipos: os de líquidos e os de gases. Muitos dos aparatos empregados para a medida de pressões utilizam a pressão atmosférica como nível de referência e medem a diferença entre a pressão real ou absoluta e a pressão atmosférica, chamando-se a este valor pressão manométrica; tais aparatos recebem o nome de manômetros e funcionam segundo os mesmos princípios em que se fundamentam os barômetros de mercúrio e os aneróides. A pressão manométrica se expressa bem seja acima ou abaixo da pressão atmosférica. Os manômetros que servem para medir pressões inferiores à atmosférica se chamam manômetros de vácuo ou vacuômetros.

Fonte: Wikipédia, a enciclopédia livre.

jul 22, 2010
admin

AS MUDANÇAS NA ISO 9001:2008

Num mundo cada vez mais globalizado e dinâmico, também as normas precisam se adequar. O processo de revisão da ISO 9001:2008 mantem sua essência inalterada, isto é, os oito princípios de gestão, a abordagem de processos, os títulos e campo de aplicação e estrutura continuam vigentes, só que aperfeiçoados, com maior clareza e melhoria na tradução, aumentando a consistência com a família 9000 e a sinergia com os conceitos da gestão ambiental daISO 14000. Diferentemente das transições anteriores, esta nova versão deverá ter seu prazo de adequação limitado a um ano. Entre outubro e dezembro deste ano, a nova versão da 9001 já deverá ser colocada para votação e a partir de janeiro de 2008 espera-se a publicação da versão final.

Os principais impactos no SGQ com essa nova versão da norma devem ficar por conta da facilitação na interpretação dos requisitos e da necessidade de atendimento aos requisitos estatutários e regulamentares relacionados aos produtos.

O foco também aumenta para os resultados e a melhoria contínua.

Veja o que muda na nova versão:

0.1 Generalidades: esclarece a questão da conformidade com os requisitos regulatórios e estatutários, que deverão ser atendidos quando se referem ao produto ( na verdade, o resultado do processo).

1. Escopo: reforço na preocupação com o atendimento a requisitos regulamentares e estatutários para o produto, que não é somente o produto intencional, mas abrange o produto adquirido e o resultante dos estágios intermediários da produção.

3. Termos e Definições: foi eliminada a definição fornecedorXorganizaçãoXcliente.

4.1. Requisitos Gerais
Texto mais explicativo, além de permitir que as organizações definam os controles a serem aplicados aos processos terceirizados. O uso do requisito 7.4 como controle aos processos terceirizados.

4.2 Requisitos de Documentação
Melhoria no entendimento e liberdade para as organizações definirem os documentos e registros necessários para garantir a eficácia dos seus processos, além dos já requeridos pela norma. Eliminação da letra g e na sub-clausula 4.2.3, ficou definido que os documentos de origem externa que devem estar sob controle são os necessários par o planejamento e operação so SGQ. O item 4.2.4 – controle de registros foi completamente revisado, e estipulou-se que os “registros estabelecidos para fornecer evidência de conformidade com os requisitos e da efetiva operação do SGQ devem ser controlados”.

6.2.2 Competência, Treinamento e Consciência:
Significativamente alterado com relação a foco na atividade de treinamento, e entendido agora como condição para necessário para chegar às competências necessárias, com determinação das competências necessárias para o pessoal que afeta a conformidade com os requisitos do produto, certificando-se de que as competências necessárias foram atingidas. Eliminada a avaliação de eficácia dos treinamentos, focando o atingimento das competências.

6.3 Infra Estrutura:
Inclusão de mais um exemplo dentro da letra c):

  • Serviços de apoio como sistemas de informação.

6.4 Ambiente de Trabalho: Incluída nota:
O termo ambiente de trabalho relaciona-se às condições necessárias paraatingir a conformidade com os requisitos do produto tais como salas limpas, precauções anti-estática e controles de higiene.

7.2.1 Determinação dos Requisitos Relacionados ao Produto: Também foi incluido uma nota para esclarecimento:
Atividades de pós-entrega podem incluir ações durante o período de fornecimento de garantia, obrigações contratuais tais como serviços de manutenção, serviços complementares como reciclagem ou disposição final.

7.3.1 Planejamento de Projeto e Desenvolvimento:
Feito esclarecimento: “Análise crítica, verificação e validação de projeto têm propósitos distintos. Eles podem ser conduzidos e registrados separadamente assim como em qualquer combinação adequada ao produto e à organização”.

7.3.3 Saídas de Projeto: pequena mudança na redação do texto para “as saídas de P&D devem estar em um formato adequado para verificação contra as entradas de P&D”, além de: “fornecimento de serviços inclui preservação do produto”.

7.5.2 Validação de Processos: Foram incluidas duas notas relevantes:
Nota1: Para muitas organizações de serviços, o serviço fornecido não permite a imediata verificação antes da entrega. Estes tipos de processos deveriam ser considerados e identificados durante o estágio de planejamento (ver 7.1).

Esta nota reflete uma interpretação sancionada da ISO atual que traz como exemplo a venda de balcão como um destes processos.

Nota 2: Processos tais como soldagem, esterilização, treinamento, tratamento térmico, serviços de call center ou atendimento de emergências podem requerer validação.

7.5.3 Identificação e Rastreabilidade: Foi esclarecido que a organização deve identificar a situação de inspeção do produto por toda a realização do produto.

7.5.4 Propriedade do Cliente: Esclarecido em nota que dados pessoais também são propriedade do cliente.

7.6 Controle de Equipamentos de Medição e Monitoramento: Foi esclarecido que o equipamento deve estar identificado para permitir que a sua situação de calibração seja conhecida.

Inclusão de duas notas: Equipamentos de medição incluem equipamentos para medir ou monitorar que são usados para monitorar conformidade com requisitos; e Confirmação da habilidade de software de computador em satisfazer a intenção de uso incluiria o gerenciamento de sua configuração e verificação para manter sua adequação ao uso.

8.2.1 Satisfação do cliente:
Passou a ser considerado um indicador e não mais uma medição da performance do SGQ. Se a tradução preservar a raíz da palavra significa que a satisfação do cliente não precisa ser necessariamente medida entretanto, deve haver meios que indiquem como está sua satisfação.

8.2.2 Auditoria Interna: Foi incluida a obrigatoriedade de manter registros da auditoria e de seus resultados.

8.2.3 Medição e Monitoramento dos Processos:
Foi incluido uma nota para esclarecer que o tipo de monitoramento a ser aplicado depende do impacto do processo no atendimento aos requisitos do produto na eficácia do SGQ.

8.3 Controle de Produto não Conforme
Foi incluída a letra d) que requer que, quando praticável, a organização deve tomar as ações apropriadas aos efeitos ou potenciais efeitos de uma não conformidade detectada após a entrega ou uso do produto.

8.5.28.5.3 Ação Corretiva e Ação Preventiva: Foi esclarecido que análise de ação corretiva e preventiva refere-se a análise da eficácia de tais ações.

Anexo A: Traz uma correlação entre os requisitos da norma ISO 9001:2000 e ISO 14001:2004.

Os demais itens não sofreram alteração.

Para maiores informações sobre treinamento, auditorias de transição ou sobre a norma clique aqui.

CONTATO
SGS do Brasil
SSC
Av. das Nações Unidas, 11.633 – Brooklin Novo
São Paulo – CEP 04578-000 – Brasil

t: 11 3883 8800
f: 11 3883 8900
0 Email

jul 22, 2010
admin

Gaxetas de Fibra de Carbono Teadit

Os fios e filamentos a base de carbono e grafite são obtidos por processo de oxidação controlada, em temperaturas elevadas e atmosfera inerte, onde são utilizados precursores a base asfáltica ou de filamentos contínuos têxteis. Em uma primeira etapa, obtém-se a fibra de carbono (com 95% de carbono) em temperaturas acima de 1000ºC. Para se obter a fibra de grafite (acima de 95% de carbono) ocorre um novo aquecimento superior a 2000ºC, sendo que a fibra obtida é, então, transformada em fio por processo de calandragem e recoberta ou não com impregnantes específicos. Já o grafite flexível é obtido a partir do grafite puro expandido e, posteriormente, compactado sob pressão.

As gaxetas de carbono e grafite se tornaram em uma excelente opção nas aplicações de vedações em válvulas, bombas, reatores, entre outras, onde haja alta pressão ou temperatura. Em tipos específicos de gaxetas, são obtidas características particulares, devido à forma construtiva do entrelaçamento ou mesmo da concepção híbrida, que as tornam indicadas para aplicações em válvulas nas quais busca-se rígido controle de emissões fugitivas, ou em bombas que requerem maior dissipação térmica ou eliminação do fluido de selagem e/ou refrigeração. Verifique na descrição específica de cada tipo, a gaxeta que melhor atende a aplicação desejada.

As principais características comuns às gaxetas de carbono/grafite são :

• CONSTRUÇÃO ENTRELAÇADA – EXCELENTE MOLDABILIDADE
O sistema de entrelaçamento dos fios propicia uma gaxeta mais homogênea, de melhor moldabilidade, maior resistência mecânica e menor desgaste por abrasão.

• AUTO LUBRIFICANTE – BAIXO ATRITO- ALTAS VELOCIDADES PERIFÉRICAS
São 100% lubrificante, conferindo baixo atrito, aceitando altas velocidades periféricas; não apresentam queima em aplicações dinâmicas como bombas ou travamento de haste de válvulas. Propiciam uma fácil remoção e permitem trabalho em bombas onde se pretende eliminar o gotejamento.

• CONDUTIVIDADE E ESTABILIDADE TÉRMICA
Por sua alta condutividade térmica o grafite/carbono dissipa o calor gerado na caixa de gaxeta em válvulas e, em especial, em bombas com alta velocidade periférica.

• RESISTÊNCIA QUÍMICA
São materiais inertes, com excelente compatibilidade química, trabalhando em uma faixa de pH de 0 a 14, resistindo ao ataque químico de uma ampla variedade de produtos químicos como ácidos, alcalinos, derivados de petróleo e solventes, entre outros.

• INIBIDORES DE CORROSÃO
As gaxetas TEADIT® fabricadas com Carbono/Grafite, possuem sistema de inibidores de corrosão, utilizando fio ou pó de metais de sacrifício, sendo o zinco o mais usual. Estes inibidores propiciam uma excelente proteção para os diferentes tipos de válvulas de uso comum, na indústria.

Contrate a Coppi

jul 22, 2010
admin

Juntas Cortadas Teadit

As juntas Cortadas TEADIT proporcionam vedação segura, prática e econômica às indústrias que possuem fluidos em processo. Fabricadas em Papelões Hidráulicos, Graflex, PTFE, Quimflex, Tealon, elastômeros, entre outros, com dimensões próprias para flanges ASME, DIN ou especiais, as juntas Teadit são:

PRÁTICAS – Fornecidas nas dimensões normalizadas ASME B16.21 ou sob desenho do cliente para instalação em flanges, válvulas e equipamentos, as juntas Teadit evitam montagens descentralizadas que, comumente, provocam vazamentos.
ECONÔMICAS – As juntas Teadit evitam os elevados custos de estocagem de material, mão-de-
obra e desperdício com cortes inadequados.Além disso, o Service Center Teadit pode fabricar as juntas em campo, com as medidas exatas, na hora da aplicação. Consulte essa modalidade de serviço Teadit.
SEGURAS – Fabricadas com produtos Teadit, adequados à cada aplicação, de qualidade mundialmente reconhecida.

Contrate a Coppi

Páginas:«1...2829303132333435»

A COPPI tem forte atuação no setor de manutenção industrial, oferecendo serviços de recuperação de instrumentos.

13 minutos ago

Contato

Entre em contato conosco, teremos imenso prazer em atendê-lo!

Rua P. Camargo Lacerda, 157
CEP: 13070-277 | Campinas / São Paulo

coppi@coppi.com.br

Fone: (19) 3241.1400
WhatsApp: (19) 99363-1535